Sanesul mantém investimentos na área do saneamento, mas vê 2022 como um ano mais solidário

A Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul) começa o ano com o pensamento voltado à manutenção dos investimentos na área de infraestrutura de saneamento básico nos municípios onde tem a concessão dos serviços públicos, mas vê 2022 como um ano mais solidário, com políticas públicas e estratégias compensatórias voltadas à população.

A leitura foi feita pelo diretor-presidente da empresa, Walter Carneiro Júnior, apontando os reflexos negativos decorrentes da crise econômica do país, agravada principalmente pela pandemia da Covid-19 (novo coronavírus) nos anos anteriores.

“Este ano de 2022, com as perspectivas de trabalho que a Sanesul tem, vai ter que ser um ano onde à visão social, as políticas públicas, o braço forte do Governo e da empresa pública, terá que ter um olhar diferente para toda a população, porque num ano de adversidade e de dificuldade que foi 2021, a conta para a população começa a chegar agora, sinalizando inflação, aumento do custo de vida. A população está perdendo poder de compra”, avalia.

Segundo ele, parcela da população sem emprego e o trabalhador assalariado são os que mais vão sentir daqui para frente com a inflação, aumento do custo de vida e insumos como energia, combustível, água, e gás.

O dirigente, no entanto, observa que o Governo e a Sanesul já estão trabalhando desde o ano passado no sentido de garantir benefícios e reduzir a conta do consumidor.

Ele indica, como exemplo, a redução da conta de água e o fim da tarifa mínima do consumo, medida adotada pelo Governo do Estado e pela companhia de saneamento em obediência a portaria da AGEMS (Agência de Regulação de Mato Grosso do Sul), que disciplina as estruturas tarifárias de água e esgoto nos 68 municípios em que a concessionária opera.

“A Sanesul tem um planejamento este ano voltado para políticas públicas que sejam mais solidárias. Exemplo disso, já é agora em janeiro, nós reduzimos a conta de água em 3.3%. Acabamos com a tarifa mínima, vamos beneficiar diretamente 215 mil famílias com a extinção da tarifa mínima, 40 mil pequenos comércios. Já começa a ter um reflexo dessa ação, da política pública que o Governo do Estado está praticando por meio da Sanesul”, afirmou.

O dirigente reafirma o compromisso da empresa com políticas púbicas mais fortes com objetivo de ajudar a população que passa por um momento difícil.

PLANO DE INVESTIMENTO

Walter Carneiro Júnior garante que a companhia continuará cumprindo, por determinação do governador Reinaldo Azambuja e do secretário de Infraestrutura, Eduardo Riedel,  o seu plano de investimento, obedecendo ao calendário de entrega de obras nos municípios.

“Nós temos aí alguns municípios que nós vamos entregar obras. Faltam ainda algo em torno de 20 deles para gente contemplar toda a Rota do Saneamento, fazendo essas entregas que melhoram a vida da família sul-mato-grossense”, adiantou o dirigente, acrescentando que a empresa manterá suas atividades voltadas à qualidade do sistema de água visando gerar economia, combater perdas e investir em telemetria, setorização e automação.

A ideia, segundo ele, é fazer com que haja investimento antecipado na área de saneamento, visando especialmente o cumprimento da meta do esgotamento sanitário e planejar os municípios para os próximos 20 anos.

“Nós temos dentro de nosso plano de contingência 20 municípios que têm investimentos agora para gente garantir o abastecimento futuro. Municípios que crescem além da média em nosso Estado, como exemplo, Ribas do Rio Pardo, que vive um momento de grande expansão, Sidrolândia, Chapadão do Sul. Tem que ter um olhar diferente da nossa companhia, porque cresce além da média e o investimento vai ser nesse sentido”, pontuou.

INVESTIMENTOS SUSTENTÁVEIS

O diretor-presidente da Sanesul garantiu aprimorar ainda mais os investimentos sustentáveis, aplicando os recursos que têm a ver com a questão socioambiental.

“Nós estamos ampliando as nossas plantas de energia verde, energia solar. Estamos com três processos sendo concluídos na licitação para fazer três novas plantas, já fizemos uma nova planta no complexo Santa Luzia, que está dando muito resultado, e iremos a partir deste ano trabalhar no mercado livre de energia também. Buscar novas formas de enfrentar esse custeio. Nosso maior custeio é a energia, a gente tem que ter mais liquidez nessa despesa buscando soluções alternativas que sejam socioambientais”, adiantou.

COPOS BIODEGRADÁVEIS

Walter Carneiro Júnior colocou que ano passado a companhia reverteu um passivo ambiental muito grande que tinha na produção de copos de água, que antes eram de plásticos e passaram a ser biodegradáveis.

Há anos, a Sanesul envasa copos de água tratada de acordo com os padrões de qualidade e potabilidade estabelecidos pelo Ministério da Saúde, e distribui para uso em reuniões nos órgãos públicos, eventos, atividades esportivas, além de entidades sem fins lucrativos.

“A companhia tem uma política de fazer o fornecimento dessa água para os nossos parceiros e, a partir do ano passado,a gente conseguiu migrar do copo de plástico comum para um copo biodegradável. Isso é mais uma ação sustentável que a companhia faz. Não basta ser somente uma grande companhia, é preciso ser uma companhia sustentável que atende aí aos interesses dos dias atuais”, arrematou.

VEJA TAMBEM

MAIS LIDAS